Espaço Multiuso foi o local escolhida para recepção. Crédito foto: arquivo Migraidh

O dia 7 de agosto de 2017 representou a concretização de uma importante política pública voltada ao acesso universal à  educação, com a recepção de  estudantes ingressantes pelo Programa de Acesso à Educação Técnica e Superior da UFSM para Refugiados e Imigrantes em Situação de Vulnerabilidade. O  Encontro de Acolhida aconteceu no Espaço Multiuso, no campus sede, em uma promoção da Comissão de Acolhida e Permanência da UFSM.

A luta pelo direito humano de migrar e pela igualdade de oportunidades foi fortalecida na universidade em 2013, com a criação do Migraidh – Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão Direitos Humanos e Mobilidade Humana Internacional. O grupo é responsável pela iniciativa da Resolução 041/2016, que institui o programa de acesso na UFSM. Esse programa tem sido referenciado em todo o país como modelo para outras universidades e exemplo de prática voltada à integração local. Na universidade, o Migraidh também é responsável pela Cátedra Sérgio Vieira de Mello, resultado de uma parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

O encontro promovido na última segunda-feira consistiu em um espaço de aproximação dos imigrantes e refugiados ingressantes pelo programa com a comunidade acadêmica da UFSM. A universidade, seus cursos e unidades de ensino lhes foram apresentados, assim como os serviços e setores diretamente ligados à política estudantil, como o Benefício Socioeconômico, a moradia estudantil, o apoio à aprendizagem, a acessibilidade linguística, bolsas, atividades extracurriculares para integração e cultura, o Serviço de Atenção Integral ao Estudante (Satie) e a assessoria ao migrante e refugiado pelo Migraidh.

Alunos beneficiados pelo programa são apresentados à comunidade acadêmica. Crédito foto: arquivo Migraidh

Este também foi um momento de diálogo dos estudantes do programa com a universidade, por meio de relatos de vivências e expectativas. Estiveram presentes na ocasião as coordenações da Casa do Estudante Universitário, representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE), coletivos, coordenações de cursos e diretórios acadêmicos. A ação contou ainda com a participação das secretarias municipais de Desenvolvimento Social e de Educação.

“Essa ação afirmativa de acesso à universidade é um direito! Agora, o maior desafio é a permanência e o sucesso desses novos estudantes”, disse o pró-reitor de Assuntos Estudantis, Clayton Hillig.

O fortalecimento dessa política de acesso caminha junto com a política de permanência dos estudantes imigrantes e refugiados. “Esse é um momento importante para a nossa universidade, de entendimento e adequação da política de permanência estudantil à realidade vivenciada pelos estudantes que estão em situação de migração e refúgio. Essa é a importância dessa atividade de acolhida, como um primeiro passo de muitos que teremos que dar para a consolidação dessa política na UFSM”, afirma a professora Giuliana Redin, coordenadora do Migraidh.

Entidade promotora do encontro, a Comissão de Acolhida e Permanência da UFSM é integrada por representantes de diversos setores da instituição, como as pró-reitorias de Assuntos Estudantis (Prae), Graduação (Prograd) e Extensão (PRE), assim como a Coordenadoria de Ações Educacionais (Caed), Secretaria de Apoio Internacional (SAI), Laboratório Entrelínguas e Migraidh/Cátedra Sérgio Vieira de Mello.

Outras informações constam na página do Migraidh no Facebook e no endereço www.migraidh.ufsm.br.